Hail Shoggoths,

Hoje falaremos sobre as guitarras.

Chegamos eu e Victor ao estúdio e fomos logo montar o set, composto por uma cabeça Marshall JCM 900 valvulado e MESA BOOGIE Rect-o-verb valvulado com falante celestion. Ficamos na dúvida sobre quais sets de pedais usar – testei o Metal Muff da Electro Harmonix, Após o Dirty Bomb da barber electronics, todos com o equalizador de 10 bandas KFK (Kerry King) signature, e por último liguei apenas um DS1 BOSS Laranjinha customizado que possuo, ele teve uma modificação em seu circuito sendo adicionada uma chavinha com três timbres a mais e maior ganho, se quiserem depois eu repasso o contato da empresa de modificação.

Quando ligamos o laranjinha direto no Marshall…meu..me arrepiei….som dos anos 80, naquele momento subiu a alma todas as distorções clássicas: morbid angel altars,Dark Angel, incubus serpent’s temptation, obituary..etc fiquei satisfeito. Fui pesquisar o segundo timbre.

O segundo timbre procuramos pelo Mesa Boogie levamos um bom tempo querendo tirar os estalos do amp característicos dos amps mesa o que me incomodou fazendo com que eu optasse apenas pelo primeiro set, resumindo! Uma guitarra gravei com o DS1 ligado direto no marshall + celestion e o set dois eu agreguei o KFK ao DS1 mudando o timbre um pouco mais para o grave. Quando juntou as duas ficou na cara!! Distorção muito boa!! Agradando não só a mim como a Victor , Marcelo e Leo do estúdio.

Iniciamos as gravações, começando com cthulhu the unspeakable, senti certa dificuldade em gravar as músicas pq sempre imaginei fazendo apenas minha parte nas gravações mas, tive que pensar durante muito tempo como dois guitarristas, marcação, dueto, paradas, o que me fez chegar a conclusão com Victor de que um guitarrista apenas é muito bom, pelo menos para gravar!! Mesma pegada, mesma dinâmica, mesma velocidade, mesmo punch, ou seja, diferença de um canal para o outro mínima! Imperceptível, claro que adicionei minhas estranhezas características.

Continuei a sequência normal gravando todas as guitarras e dois solos, a galera me perguntou “pow Alexandre nove músicas e só dois solos?” é isso mesmo, me considero mais um compositor do que um solista, gosto de uma firulistica de vez em quando, mas gosto mesmo da morbidez e do espaço da música, da dissonância, do corpo tonal e não de uma masturbação escalística.
Finalizamos exaustos e esperando dessa vez o baixo Hoje dia 04/01.